Total de visualizações de página

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

dor...

Ninguém entende o que está passando no meu coração. Ninguém consegue medir a violência que meus sentimentos estão causando em mim. Às vezes, viver perdeu o sentido. É como se eu tivesse à deriva, esperando resgate no mar mediterrâneo, em algum lugar qualquer que não faça sentido, mas que parece bonito.

Ninguém compreende que, quando falo, reconto, imito, choro, lamento, me visto, me alimento, vou ao cinema sozinha, faço num desespero de achar algo que faça sentido em mim, algo que complete o vazio que estou sentindo e que estava escondendo de mim mesmo, pois não escutei meu coração.

Em alguns dias acho que estou sendo vencedora em não te procurar, em achar que consigo aguentar o tempo suficiente para te esquecer. Outros dias a dor é avassaladora. Meus olhos reajem como alguém que não consegue ficaf de pé. Eu passo os dias chorando e buscando soluções práticas, sentimentos volúveis, prazeres imediatos, na tentativa de te esquecer. Só que o que acontece é efeito reverso, efeito egoísta comigo mesmo, sentimento traíra: penso, respeiro, sonho, como, bebo pensando em você ou justificando tua ausência de mim mesma.

Eu queria que alguém arrancasse meu coração de mim. A dor é insuportável. Eu queria morrer num.  assalto ou vítima de uma bala perdida por aí. Outras vezes queria subir num avião e deixa turo pra trás: emprego, família, cachorro, e sei lá,.começar uma vida nova, longe de tudo que me prende. Mas , mesmo que eu fosse, eu teria o pior castigo do mundo que seria ficar mais longe ainda de ti, e tão dentro de mim. Eu voltariacorrendo.

Às vezes penso que vai demorar muito pra tudo isso acabar. Não sei, sinceramente, o quanto poderei suportar, o quanto de tempo que isso vai levar, o quanto de tudo que me faz te perdooar. Só sei que preciso lembrar de respirar, os suspiros me consomem o ar dos pulmões.

Cada dia fica mais triste do outro. Hoje deitei na grama de casa pra sentir o Sol no meu corpo. Fiquei escutando uma música que julguei fazer parte da nossa lista. Eu tava por alguns segundos buscando um abraço do mundo, algo que me fizesse pertencer. Eu estava pensando em ti e tentando secar as lágrimas.

Meus Deus como te amo, e só ele sabe o quanto me arrependo de não ter te dito antes. Eu juro pela minha vida que nunca deixei de te amar. Foram as decepções que me fizeram te deixar. Eu não estava me sentindo segura, e tinha medo.de amar sozinha. Mas como eu iria imaginar que tu fosse de fato partir.

Eu fui ingênua demais.




sexta-feira, 25 de maio de 2012

Mundo do Trabalho ....

Hoje é sexta-feira!

A primeira coisa que me ocorre é o mais que saturado e incrível "mundo do trabalho" versus o "ser estudante". Complicado, assumo essa posição.

Esse tal papo de é possível, existe tempo pra tudo, as cobranças sociais e até mesmo a visão da família sobre isso, torna todas essas questões - e tantas outras possíveis - uma piada para quem vive a vida numa boa, o que é raro nesse mundo de desigualdades sociais.

Você tornando-se competente cria parâmetros de julgamento frente aos demais , muitas vezes sub, humanos! E daí se dá conta da tamanha promiscuidade de uns em relação às suas atitudes, quando tais trabalhadores saem metralhando colegas com supostas cobranças sem o devido cuidado de certificar-se do ponto de erro, ou seja, durante o processo de uma ação em que lugar/pessoa exatamente aconteceu o erro.

Bom, isso é comum. Creio que em pessoas frustadas com sua situação profissional/pessoal. Nem sempre é fácil estar numa posição que não se gostaria de estar, mas não menos subjulgar os colegas de trabalho. Em Sociologia do Trabalho e suas ênfases, bem como creio em estudos de Administração Pessoal e Psicologia, são fatos muito recorrentes.

Sobre o "ser estudante"... fica para uma próxima.

Abraços!

terça-feira, 22 de maio de 2012

Voltei, caros!

Bom dia!


Como passa o tempo, hem? Desde o ano passado que não escrevo nada! Enfim, vamos iniciar os trabalhos novamente! Durante os últimos tempos, fiz muitas reflexões acerca da vida! O que é bom por um lado e ruim por outro, pois descobrimos muitas coisas!

A vida é isso: às vezes, um faz de conta; outras, uma realidade absurdamente cruel; no entanto, em outras, visivilmente boa! Faz parte do show!

Estamos no outono, final de maio, início de junho, em meus últimos dias de 24 anos. Que horror, mas completarei 25 anos. Manter a aparência jovem não tem sido difícil. No entanto, manter a mente plena e saudável tem sido muito caro. Mas é isso, a vida como ela é!

Talvez eu ganhe o canudo mágico do nível superior no fim do ano. Canudo mágico, Tamirez? É o que parece ser... Mas não quer dizer muita coisa, pois há muito o que se caminhar ainda. Finalmente, depois de 5 anos, parece que vou concluir minha primeira graduação: Cientista Social com ênfase em Licenciatura. Há, pois bem, em poucos dias adentrarei em sala de aula para ministrar conteúdos sociológicos para a Educação de Jovens e Adultos!


O Facebook virou algo muito banal para se escrever, nada melhor que meu velho e bom companheiro BLOG, que aliás completou em abril  4 anos!


Abraços!

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Libélula - 'National Geographic'

Esta imagem de uma libélula foi a vencedora do Grande Prêmio e da categoria Natureza do Concurso Fotográfico de 2011 da revista National Geographic. A foto foi feita nas Ilhas Riau, na Indonésia. 'Quando me preparei para fazer a foto dela, começou a chover. Decidi tirar a foto assim mesmo', disse o fotógrafo (Foto: Shikhei Goh/National Geographic Photography Contest)

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Sonhos depois da meia-noite...

Mais um dia inicia com certa tranqüilidade! Uma leve brisa no ar. Lembrando que as coisas boas de fato se manifestam na leve brisa e não nas grandes demonstrações ou realizações.

***
Retomando capítulo “sonhos depois da meia-noite”, sonhei com abelhas pousando sobre meu corpo, pequeninas abelhas, não muitas. Dizem que abelhas trazem sorte, apesar de me assustarem com seus doloridos ferrões, o que de fato aconteceu no meu soninho da madrugada. Eu estava nos areões do sítio, onde faz tempo que não vou, curtindo um sol na pele!

***
Ontem coloquei para dentro do pátio o meu novo cachorro! Sim, pasmem, ele é uma cópia macho da Bebê! Ele até estava se insinuando para ela! Sempre pensei em juntar vários como ela. Puxa, é uma raça misturada, mas já encontrei uns 4 ou 5 por aí, até numa foto do Chile! Ao total já tenho 5 cães!

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Uma segunda pela manhã...

Acordei hoje me lembrando do sonho que tive totalmente angustiante. Basta a realidade viva e ainda a levamos para os caminhos mais desconhecidos e supostos da mente humana. Maldição de sonhos!


***
Vejamos, inicia o calor! Que dificuldade em dormir. Um ar condicionado seria ótimo para continuar quentinha de tocaia debaixo dos cobertas! Um verdadeiro cafofo sentimetal: banho quentinho para aquecer, cobertas quentinhas para manter. Agora, banho gelado, brigas com os ex-cobertores, travesseiro que não ajuda muito! Aff! Quanta dificuldade para dormir!

***
Sabe quando você escreve um poema que expressa algo no momento vivido e aquilo passa a servir para outras ocasiões? Cheguei à conclusão de que aquilo se tornou o que chamamos de universal, uma temática ampla, multiuso! Sim, por isso colocá-lo-ei novamente publicado aqui:

trocadilho das intenções

Eu não falo com ele.



Ele não fala comigo.


Eu não falo comigo.


Ele não fala consigo.
***
Bom, anseio pelo fim das aulas. Ou melhor, ao contrário, as pobres aulas que ainda me dão alguma esperança de futuro é quem não poderiam sofrer golpes, anseio pelo fim do trabalho. Deveria ser lei 6 horas! Para todos!

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

OFJ - concurso vergonhoso e mal feito!

É uma vergonha na capa da Zero Hora : 16 fraudam o concurso!!!! Só um pouco, será que foram só 16? Quantos não perderam a oportunidade de estarem trabalhando????????????? Perderam a oportunidade por causa dessas vergonhas!!!!! E daí me continuam num concurso só trocando a banca!!!


Indignação sem volta!!!!!!!!

sábado, 17 de setembro de 2011

A questão é que não era



Eu quem seria a suposta dona das estrelas lá no céu.


Muito pelo contrário, pelo visto!


Era eu uma nuvem passageira,


daquela que ofusca o brilho das outras.


Abençoado fosse o sono dos inocentes
Desculpe meu amor,



se só te quero por palavras.


Lamento ser assim,


não te amar cara-a-cara.

Tamirez P.

Reflexões Voluntárias I


Pois bem, chega o momento, depois de uma fase de exaltação obrigatória do espirítico, como refúgio de acontecimentos desagradáveis, em que bate a nostagia ou a falta de alguma coisa. Primeiramente, como uma ansiedade desmedida; a posteriori, uma fome incontrolável, como se nada satisfazesse o seu próprio eu. Então, surge uma memorável alternativa: a válvula de escape.

Ela pode ser espontânea ou pensada. Como assim? A espontânea, que já é traduzida pelo próprio termo, surge ao acaso e vem com uma programação sugestiva. Você aceita e vai se divertir, aproveitar o momento. Aliás, nada como uma bela oportunidade nova. Assim, você fica embriagado de uma contagiante vibração de sucesso. Ponto - até que você retorna ao começo. Aliás, o caminho de volta é por um lado bom , por conta do descanso; por outro lado dissonante, devido ao fim da programação de escape. Portanto, novas horas anunciam-se sem ter o que fazer, até recriar um no campo de alternativas.

Você fica pensando como algumas pessoas retomam tão rápidas as formas simples de vivências, talvez compromissos, namoricos, paixões, enquanto outras ficam tão enebriadas desse tumulto que se perdem em pensamentos (como a chamada Síndrome do Pensamento Repetitivo), entre outras que podemos explorar futuramente. Qual é o pulo do gato? Qual é a questão? Porque respostas tenho várias, mas qual é a pergunta certa que encaixa com a tese correta? Tenho me questionado a respeito...

Tentar encontrar o fio condutor é complexo, quando você tenta contar com a sorte e tenta manipulá-la. Enfim, penso se há a necessidade de fazermos revoluções internas? Em qual lugar está a nossa liberdade fluída? Aquela que nos permite arriscar? Sinceramente, complicado. E quem diz que ela anda solta por aí, basta querê-la! Perdôe-me, não acredito! Comprove-me, quem sabe eu também não desfrute dessa doce dádiva!

Falando em dádivas, voltemos ao início, sobre o desânimo e a fórmula de escape. Talvez a questão nem seja o outro, mas o eu. Se você se ocupa de abraçar o mundo, não com os braços , pois são curtos, mas com as pernas também, veja bem, como você vai caminhar por aí com tamanho peso na mente, com tamanhos compromissos com a tua própria palavra? Eis a chaga das pessoas muito éticas - envolvimento completo com suas propostas. Daí a dádiva de viver fica reprimida, abandonada, de cantinho e esquecida. Lá se vão os meses...

É muito cedo ainda para eu poder concluir meus pensamentos. Mas vai a reflexão...

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Novo Brinquedo nas Lojas!!!

O último brinquedo que chegou às lojas...
Boneca Muçulmana que fala!
(até hoje não se sabe o que ela diz, pois ninguém tem coragem de puxar a cordinha) 

Valeu, Lucas!!

domingo, 28 de agosto de 2011

Domingo Chuvoso

Raios e trovôes,


Alguém me explica o raio do sentido do amor?

Que latência é essa que bate à alma,

Como quem pede um abrigo no aconchego do peito?

Existe o amor, sentir e ser?

Ou dane-se, nada mais é que a abstração mais volúvel da faculdade do homem.

Eu tento explicar, mas me individo comigo mesma.

Será o amor a saudade do nada em meio a tudo?

Será a saudade o pensamento brotante espontâneo?

Até então tenho dúvidas. Explique-me, por favor!

domingo, 24 de julho de 2011

Um estúpido não saberia o que fazer com um coração!

- De todo modo - disse o espantalho-, eu pedirei um cérebro, não um coração, porque um estúpido não saberia o que fazer com um coração, se tivesse um.
- Eu pedirei um coração - respondeu o homem de lata -, porque o cérebro não dá felicidade, e a felicidade é o melhor que há no mundo.

L. Frank Baum, O Mágico de Oz

sexta-feira, 22 de julho de 2011

É bom ter um bom livro!

Umas das melhores coisas de se ter dinheiro é poder entrar numa livraria, procurar títulos interessantes e levá-los para casa, com um ar de pertencimento e amizade com aquela nova obra. Alguns livros recomendados, por amigos ou por professores na faculdade, outros por mera curiosidade, como quem descobre segredos úteis para o dia-a-dia.


Eis a dádiva de ter um bom livro.

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Lembranças chuvosas...

Hoje o tempo voltou para trás. É uma quarta que parece segunda à tarde. Chuvosa! Ainda faltam alguns dias para o novo, mas ao mesmo momento as lembranças me puxam pra trás. Sinto que hoje eu não devia ter comentado com ninguém o que eu supostamente descobri, juntando linhas, histórias, roupas, lugares, lembranças. É algo que ao mesmo tempo me dá pena e tristeza.

Quando algumas peças de uma grande engrenagem vão se encaixando, os sintomas vão se exaltando e as primeiras impressões são reveladoras. É como se uma porta fosse aberta e um balde de água fria caísse sobre minha cabeça. Nesse momento só entendo que devo me preservar e optar pelo silêncio e o afastamento, quem dera eu conseguisse segurá-lo absoluto na minha mente.

É uma tarde chuvosa e nebulosa. A chuva ensopa até minha roupa, se por muito tempo eu insistir em pensar nessa história.

terça-feira, 19 de julho de 2011

O entardecer de terça-feira...

Uma tarde verdadeiramente agradável. Um Sol tímido entre uma neblina que desce de um céu enevoado, árvores delicadamente balançando. A luz encanta como uma brincadeira de esconde-esconde entre os galhos longínquos. Como não há aulas, há noite - livre para passear e não se preocupar com mais nada a não ser se divertir e curtir a ocasião.  Eis a admirável paisagem do Campus do Vale, onde antigamente fazia parte dos Campos de Viamão.

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Numa segunda-feira...

                  Nos dias tênues de inverno, quando sopra o vento e o tempo não passa, entre galhos secos e folhas caídas, entre nuvens pesadas e entre passos rápidos, contamos os segundos para chegar a casa e aquecer a alma. É como se o mundo virasse de cabeça para baixo, contrastando aqueles dias quentes e calorentos de verão, ou até mesmo aquele ar de plantas na primavera.

sexta-feira, 27 de maio de 2011

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Se faz assim...

Não te importes com o pouco que as pessoas te oferecem. O mundo está virado em si próprio.


Não te amoleças pelos poucos convites que te oferecem. Nem sempre ir é o melhor para nós.

Fique calmo quando tudo entra em colapso. Logo tudo se ajeita, mas se isso não acontecer, aceite, mas não perca a ternura nem a felicidade.

Enfim, não te desespere teu pobre coração. Ele precisa de muita energia para se viver a longos e mais longos anos. Ele tem muito tempo pela frente.

Tamirez Paim

Câmera Flagra Furto Carro em Frente Campus Saúde UFRGS

terça-feira, 24 de maio de 2011

Brigada Militar de Viamão mata a tiros filhote de cão e intimida moradores no portão.

Assassinato no COCÃO – repúdio a ato insolente da Brigada, que devia salvaguardar os cidadãos e a os animais, mas ao contrário, comete erros graves.



O Crime

Sim, é isso mesmo caros leitores. Um absurdo! Na semana passada, a Brigada Militar, alguns brigadianos que cumprem mal suas funções, mataram a tiros de pistola o cão errado!!!!!!!! Assassinaram um filhote de 10 meses da raça Rottweiler.

A culpa

Alguns vizinhos idiotas, quem não tem vizinhos bestas? Pessoas que , logo depois, se esconderam. Quero pegar um por um e dizer umas verdades. Pessoas sem coração.

Mas a culpa também é da Brigada, a Instituição, que esquece eu acho de instruir seus militares a antes averiguarem a situação, se realmente é de fato real. Penso agora uma coisa: não é a SAMU, os Bombeiros, a própria Brigada Militar que recebem todos os dias milhares de telefonema trotes?

Eles não poderiam ter conversado com algum vizinho que ligou para mostrar o tal cão perigoso, que de fato era outro! Não esse que eles mataram que de dia ficava brincando no laguinho, tomando banho, dormindo com os outros cães que vivem pelo loteamento, porque era um filhote sozinho. MATARAM A SANGUE FRIO O CÃO ERRADO!

O inocente bicho viu as luzinhas do carro da brigada e foi brincar e os “ANIMAIS” BRIGADIANOS atiraram a sangue frio o pobre bichinho – UM FILHOTINHO! Isso é muita crueldade! Atiraram nas pernas no animalzinho que começou a gritar de dor, e depois deram um tiro na cabeça. Ainda por cima fizeram o cãozinho agonizar de dor!!!!!

O Medo

Se contar que com medo dos vizinhos, ensacaram o corpo do cachorrinho e guardaram dentro do porta-malas, e ainda ficaram umas 3 horas mais procurando os cartuchos das balas. Só que eles não esperavam que o dono do cachorrinho que ao chegar, logo em seguida do crime contra os animais, tinha juntado as “balas”, pois notou perto do seu portão uma grande poça de sangue. Um filhote de cachorro!

Assim, isso tudo foi denunciado no Balaço Geral, na mídia. Já está na Corregedoria da Brigada. Espero que façam algo para punir esses caras sem o mínimo de razão.

“ BICHO NÃO TEM ALMA , EU SEI BEM. MAS SERÁ QUE VIVENTE TEM”

terça-feira, 10 de maio de 2011

Azaléia ...



Em 2006, visitei a fábrica da Azaléia em Parobé. Foi uma visita técnica promovida pela Escola Técnica da UFRGS durante o curso técnico em Secretariado. Fiquei impressionada com a imensidão do local, com seus mega pavilhões, saguões. Chegamos no período do intervalo do almoço, vimos a grande quantidade de trabalhadores de jalecos azuis.

O propósito da visita era o de conhecer a estrutura de uma grande empresa. Fomos recebidos com salgadinhos e refrigerantes como também presenteados com CD’s do Coral de Funcionários da Azaléia. Tudo bastante agradável administrativamente.

Ao sairmos para os pátios, onde ficavam os imensos galpões, deparei com aquela visão de fábrica dos Tempos Modernos. Pessoas, lado a lado, sem conversarem, repetindo a mesma tarefa numerosas vezes ao dia, com protetores auriculares devido ao enorme ruído que as máquinas de costura emitiam. Assim, estava ali o trabalhador proletariado, modernamente adaptado.

Pois bem, com a notícia dessas 800 demissões pairando sobre os meios de comunicação, não foi difícil não escrever algo que para mim muito gratificante culturalmente: ver um modelo de fábrica ao estilo capitalista. Charlie Chaplin não se enganou ao descrever em sua obra de arte o modelo de estrutura capitalista da Revolução Industrial.

Agora me deparo com a constituição de um social dessa cidade que até bem pouco tempo parecia ser pairada por uma nuvem de estabilidade empregatícia em virtude do calçado, numa fábrica de grande porte com valores capitais enaltecidos entre seus funcionários os quais tinham acesso a creches bem estruturadas ( juntamente com berçários), pois eu vi. Se 80 crianças ficaram sem creche, imagine a rotatividade de crianças que são assistidas pela Azaléia diariamente?

Então, tratando agora da questão econômica, se os incentivos fiscais são falhos a essas grandes empresas, se o Nordeste oferece melhores lucros, se o Brasil perdeu a exportação de calçados para os EUA em virtude da China, se a Argentina, país vizinho, oferece melhores condições comerciais, será que o problema não está aqui? Não é hora de repensar o modelo estrutural comercial do Estado frente a essas grandes empresas já estaladas, para que não aconteça essa defasagem empregatícia numa cidade de pequeno porte como Parobé? Quantas outras cidades gaúchas estão na mesma corda bamba sem se darem conta?

Por fim, algumas empresas já estavam oferecendo empregos aos dispensados da fábrica. Parece, pelas fontes jornalísticas, que a Azaléia corresponde a 30% do ICMS do município que tem 80% da sua economia baseada no setor calçadista. Talvez para uma parcela pequena não seja tão difícil conseguir uma recolocação no mercado de trabalho, mas para outra será um desafio. Assim, eis o modelo capitalista do mercado de produtos atravancando a economia de populares.

segunda-feira, 9 de maio de 2011

quarta-feira, 27 de abril de 2011

@

Tem gente que se acha!

Trabalho novo é sempre complexo. Conheci um lado da muito diferente do conto de fadas que é apenas estudar. Existe uma cultura organizacional hipócrita e desorganizada rolando solta por aí.
Há um desrespeito com o servidor que é aluno em termos jurídicos, uma coisa absurda. A Lei 8.112 é clara quando diz que “será concedido horário especial ao servidor estudante”, ou seja, é um fato imperativo, e não discricionário. Além de outros detalhes, na prática.
Daí existe meia dúzia de pessoas mal instruídas e arrogantes que acham que isso é a bel vontade deles permitirem  que o cara vá para a aula em horário de “trabalho”. Tipo, quase como um PRECONCEITO. Querem que você abandone a cadeira no meio do semestre.
Se existe um plano de compensação de acordo, e é uma Instituição Federal de Ensino, esses servidores que andam fazendo isso devem se reciclar, no mínimo. Há uma falta de conhecimento pulando pelas mesas, literalmente. Meia dúzia que se acham aptos para trabalhar com a vida pública. Por favor, reciclem-se.
Se existe um horário de trabalho paralelo e ilegal acontecendo, deveria ser estendido a todos os servidores o exemplo daqueles que cumprem as 8 horas diárias, com mais 1 de almoço, 9 horas. E que principalmente, aqueles que administram a vida funcional, deveriam dar o exemplo, mas não é o que acontece na vida pública. Daí vem uns falar do dinheiro público que deveria ser gasto só com educação. Por favor, poupem-me.
Se a lei é que cria o Estado e suas funções, não há o caráter pessoal nessas decisões posteriores. Há , sim, atos discricionários; mas outros, “hello”, não são da alçada deles. “Um dia peixão, outro peixinho”, creio que eles se esquecem disso, mas eu não!
Tamirez Paim

terça-feira, 26 de abril de 2011

VIROU OS 10.000,OO

OLÁ, GENTE!

             ABRIL FOI O MÊS DE ANIVERSÁRIO DO BLOG ( 3 ANOS)

NESSE FERIADÃO DE PÁSCOA, O BLOG ULTRAPASSOU OS 10 MIL ACESSOS . AGORA RECOMEÇOU A CONTAR DE NOVO O CONTADOR DE MAÇAS.
OBRIGADA A TODOS QUE VISITARAM O BLOG NESSES ÚLTIMOS TEMPOS.
VALEUUUUUUUUUUU

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Cuidado com o OLHO SECO

Basta a temperatura cair para um número maior de pessoas sentir coceira nos olhos, ardência, irritação, visão embaçada e dificuldade para trabalhar no computador.

É a síndrome do olho seco que se agrava no outono por conta da queda na temperatura e vento, afirma o oftalmologista do Instituto Penido Burnier, Leôncio Queiroz Neto.

Só para se ter uma idéia, ele diz que enquanto no verão a incidência do olho seco é de 10%, no inverno atinge 20%. Resultado: os olhos ficam mais vulneráveis às contaminações.
Confira o que fazer se sentir o problema:
:: Lave as mãos frequentemente;
:: Evite aglomerações e locais fechados
:: Não compartilhe maquiagem, fronhas, toalhas e colírios;
:: Evite levar as mãos aos olhos;

FONTE: Zero Hora

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Peripécias Sobre o Trabalho

Olá, pessoal!


Trabalhar é o caos, mas é necessário por causa do dinheiro. Aliás, não poderíamos viver sem ele. Somos completamente dependentes do mínimo necessário de dinheiro, claro que salva exceções muito bem administradas conscientemente ou extremamente necessárias, o que é o caso de muitas famílias brasileiras e pelo mundo afora.
Ficamos enjaulados nos locais de trabalho, passando por apertos e tudo mais. Alguns, podem dizer sorte, pois têm uma condição de trabalho muito melhor que outros alguéns, o que é muito lamentável.

Trocar de trabalho não muda muito coisa, quando se fica preso por 9 horas do seu dia com pessoas completamente estranhas a você. Sim, você tem que se adaptar, e como disse meu ex-colega Lucas, temos que criar perfis novos em cada lugar. Infelizmente, o mundo é assim.

Às vezes, a sorte bate a nossa porta, quando encontramos pessoas legais de trabalhar no cotidiano. As Chefias são sempre peculiaridades que devemos lidar com muito cuidado, pois não são colegas como os outros colegas. Mas, no geral, há ambientes e ambientes de se trabalhar.

Devemos buscar o local de trabalho que nos realize, ou melhor dizendo, o trabalho que nos realize. Estou certa que o que faço agora é temporário, não o quero para o sempre, nem para tanto tempo. Não é justo sermos "babás administrativas" de outros, temos que buscar nosso espaço, nossos ideais.

Temos que ir em frente aos nossos sonhos e lidar com a realidade de modo a crescer como pessoal, como criando anticorpos eficiêntes. E , claro, sempre se ter muita PACIÊNCIA!

domingo, 27 de março de 2011

Algumas notas introdutórias...



Por que o coração dói,
Quando achamos que amamos.
Será o amor causando transformações,
Ou será a dor de não saber o que é o amor.


Por que não se faz amor a dois,
E sim a mais.
Outros intrometidos,
Atrapalhando os sentimentos.


Queria eu amar livre,
Aquele amor fugido das opiniões.
Quanto tempo levará
Para eu descobrir alguém igual ao meu amor?


Tamirez Paim